Apresentação

As novas formas de definir a "função docente" (aquelas que derivam da chamada "cultura de aprendizagem") estão destruindo o ofício de professor. Com o fantoche educacional das críticas ao professor tradicional, com a chantagem empresarial da inovação e qualidade, com a redefinição das funções da escola, e com a ajuda, muitas vezes, de uma linguagem anti-institucional e anti-autoritária digna de melhor causa, esse ofício que Hannah Arendt relacionava com a transmissão e renovação do mundo comum está sendo desqualificado e arrasado, e as pessoas que o exercem estão sendo redefinidas como mediadores, coachers, animadores de aula, treinadores de competências, gestores de emoções ou impulsionadores da aprendizagens autônomas, ao mesmo tempo em que estão sendo submetidas, cada vez mais, ao controle e à reciclagem permanente, à precariedade laboral, à perda de sua autoridade simbólica e de sua autonomia profissional e, o que é pior, à dissolução do sentido público (e, portanto, independente) de seu trabalho.

Neste contexto, o II Seminário Internacional Elogio da Escola visa repensar a profissão de professor através das intervenções de pessoas fortemente comprometidas com a defesa da escola pública, através da apresentação de alguns exercícios de pensamento realizados especialmente para o evento, e através, também, de discussões sobre os livros  "P de professor", de Jorge Larrosa com Karen Rechia (Pedro&João, 2018) e "Esperando não se sabe o quê: sobre o ofício de professor", de Jorge Larrosa (Autêntica, 2018)  que nos servirão como referências para os trabalhos.

O II Seminário Internacional Elogio da Escola ocorrerá entre os dias 24 e 26 de setembro de 2018 no auditório do EFI/UFSC, em Florianópolis, SC. 

*

  • Facebook Social Icon